Prolagos: a forma de cobrança pode ser legal, mas não é justa

Em recente conversa com o vereador Aquiles Barreto (Cabo Frio), tratávamos do modelo de cobrança adotado pela Prolagos, empresa que, sob o regime de concessão, tem a obrigação de fornecer água para a maior parcela dos municípios da Região dos Lagos, bem como é a responsável pela coleta de tratamento de esgoto. Este último item contratual será objeto de análise minha em outra oportunidade.

Ainda que considere os aspectos legais do modelo de cobrança, Aquiles Barreto foi enfático: “pode até ser legal; mas não é justo!”. E completa: “não é justo a pessoa consumir sete mil litros de água, por exemplo, e pagar como se tivesse usado dez mil. Num período em que tanto se fala de boas práticas de economia de água, a Prolagos também pode dar sua parcela de contribuição neste momento tão difícil”.

Quando questionado sobre as possibilidades de mudança na tabela adotada pela Prolagos e autorizada pela Agenersa (Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro), Aquiles Barreto diz conhecer as cláusulas contratais que permitem à concessionária cobrar até mesmo o que não fora consumidor e que a única alternativa é discutir o assunto junto à Agência Reguladora.

Aquiles garantiu que vai procurar apoio junto a vereadores de outros municípios para levar o assunto até a próxima sessão regulatória da Agenersa. “Como o assunto não se atém com exclusividade ao município de Cabo Frio, sendo afeto a outras cidades, vou debater a pauta e aprofundar a questão para que a justiça seja praticada”.

É louvável a iniciativa do jovem vereador. Há um reconhecimento público de que a Prolagos significa um grande avanço no sentido da regularidade do abastecimento de água. No entanto, como bem lembrado pelo parlamentar, quando o país inteiro fala em crise hídrica, a Prolagos acaba causando desestímulo no consumidor ao cobrar um valor, por vezes, distante do quantitativo real apurado na fatura (o volume de água registrado no hidrômetro).

Vou continuar acompanhando...
Prolagos: a forma de cobrança pode ser legal, mas não é justa Prolagos: a forma de cobrança pode ser legal, mas não é justa Reviewed by Alessandro Teixeira on 2.3.15 Rating: 5

3 comentários:

  1. Até que enfim um político enxergou isso.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Até que enfim um político enxergou isso.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  3. a pessoa não é que paga pelo 10 mil litros, tem q analisar de outra forma ! a pessoa paga um mínimo de manutenção que tem direito a 10 mil sem excedentes, o mesmo ocorre com a energia elétrica.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.