“A gente trabalha com lixo, mas não é lixo!”

Essa foi uma das frases usadas por Vagner Almeida, um dos líderes da manifestação dos servidores da COMSERCAF contra a recente declaração do prefeito Alair Corrêa, que anunciou nesta terça-feira, dia 31, o fim da autarquia em até 60 dias.



De acordo com Vagner, “o prefeito trata os funcionários como resíduo” e que “agora ele terá que explicar para todos os servidores o que vai acontecer com as questões salariais e com os nossos direitos”.

A preocupação de Vagner e dos demais servidores da COMSERCAF também foi manifestada em reunião com o Ministério Público, onde foram atendidos pela procuradora Marcela do Amaral Barreto de Jesus Siciliano que, segundo Vagner, ficou de agendar reunião com o prefeito para tratar da pauta apresentada pelos servidores.


Tive acesso à ata da reunião dos servidores com o Ministério Público, documento que trata dos receios dos funcionários frente o pronunciamento de Alair Corrêa. De acordo com o texto, “o receio da categoria é perder direitos já conquistados através da implementação do Plano de Cargos e Salários que são os seguintes: insalubridade, produtividade e penosidade, que equivalem a cerca de R$ 1.000,00 de rendimento”.

Como palavras de ordem do tipo “Prefeito, covarde” e “Queremos nossos direitos”, os servidores ocuparam o prédio da Prefeitura e foram acompanhados por diversos veículos de comunicação, dentre eles as emissoras de rádio locais, Globo e Record.

Os funcionários culpam o prefeito pelo caos implantado: “ele deveria ouvir os servidores primeiro. A gente ficou sabendo da extinção da COMSERCAF pela imprensa. Isso é uma irresponsabilidade! Teve companheiro que quase enfartou ao saber isso”.

Manifestação é uma bobagem, diz prefeito 

(Trecho do portal RC24h)

Para o prefeito Alair Correa, o protesto é desnecessário. Segundo ele, apesar da crise e das medidas duras pelas quais passa a Prefeitura, a cidade não vai parar.

"É uma manifestação política, não dos funcionários, na verdade. São uns poucos tentando se aproveitar de uma época complicada que estamos enfrentando para estimular a desordem. É uma palhaçada desses funcionários. Eles não perderam o emprego, então porque estão fazendo manifestação? É só este meu questionamento”, disse Alair Corrêa.

De acordo com o prefeito, nesta quarta-feira, ele vai redigir o ato em que todos os serviços, funcionários, dívidas e tudo mais passará para a Prefeitura. "Somente os serviços de aterro sanitário e coleta de lixo serão remetidos a uma licitação pública. E isso significa que a empresa que ganhar a concorrência vai fazer o serviço e vai me cobrar menos do que gasto hoje nestes setores. O resto das atribuições da COMSERCAF continuarão, mas agora sob a coordenação da Secretaria de Serviços Públicos", explicou o prefeito. 

COMENTÁRIO

A descompostura tem sido a tônica do prefeito de Cabo Frio. Como pode chamar de palhaços servidores que estão aflitos, sem norte ao saberem da extinção - pela imprensa - da empresa para a qual prestam serviços?

Faltou planejamento também em relação à questão do anúncio da paralisação das atividades da autarquia e o servidor está no seu legítimo direito de “forçar a barra” para saber com detalhes do que está acontecendo. E ter conhecimento dos desdobramentos e das consequências das palavras do prefeito é também um gesto político, por que não?


“A gente trabalha com lixo, mas não é lixo!” “A gente trabalha com lixo, mas não é lixo!” Reviewed by Alessandro Teixeira on 1.4.15 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.