GÊNERO EM PAUTA | “Cabeça de criança não é laboratório”

A frase, proferida pelo vereador Dr. Adriano Ortopedista (PP), sintetiza o resultado da votação das metas do Plano Municipal de Educação (PME), na manhã desta terça-feira (23), na Câmara Municipal de Cabo Frio. Por unanimidade, os vereadores decidiram pela supressão da expressão “identidade de gênero” em quarto estratégias enviadas pelo prefeito Alair Corrêa. [As emendas supressivas estão publicadas abaixo].

Vereadores foram aplaudidos pela assistência, que lotou o plenário

Com o plenário lotado, preenchido por lideranças religiosas de diferentes credos e por representantes da sociedade, os vereadores ocuparam a tribuna para falar da razão pela qual votariam pela supressão do termo “identidade de gênero”. A seguir, trechos da fala de cada vereador que abordou o tema da ideologia de gênero:

ADRIANO MORENO (PP)
“Ao manifestar, muitas pessoas acabam perdendo o discernimento. Nem toda manifestação vai de encontro aos interesses da sociedade. (...) Estamos vivendo a maior crise moral da história do país. E essa crise está em todos os setores. (...) Cabeça de criança não é laboratório para fazermos experiências”.
AQUILES BARRETO (SDD)
“O Estado não pode interferir nas prerrogativas da família. Penso que seja importante ouvir toda a sociedade, sempre respeitando as manifestações contrárias e agindo em conformidade com o que almeja, coletivamente, a sociedade. No entanto, tenho a exata dimensão da importância desse debate e nunca é demais considerar que ele não termina aqui”.
BRAZ BENEDITO (PMDB)
“Somos criticados no momento em que nos posicionamos em defesa da família. Não é um artigo da lei que vai determinar a maneira como vamos orientar e educar nossos filhos. (...) Vamos deixar modificarem o modelo de família que conhecemos e apoiamos? Não!”.
LUIS GERALDO (PPS)
“Nenhum direito adquirido, por qualquer que seja, foi retirado do Plano Municipal de Educação. A luta contra o preconceito e a discriminação foi mantida. Mas também não podemos tirar os direitos da sociedade de educar seus filhos no contexto familiar. (...) Esse é um modo de desestruturar as famílias. (...) Então, a nossa luta é em favor da família”.
VANDERLEI BENTO (PSDB)
“Eu sinto a vitória do povo que defende os seus princípios. (...) Vejo uma estratégia muito obscura de tentar desconstruir o conceito de família que a sociedade conhece. (...) Me chamam de fundamentalista, mas penso do jeito que sempre pensei e não abro mão disso. E por que agora me chamam de fundamentalista? Por que mantenho meus princípios? Não é uma questão de homofobia. Se não, poderia dizer que sofro de cristofobia”.
VINÍCIUS CORRÊA (PP)
“A família tem o dever e o direito de introduzir seus filhos na sociedade com seus valores morais, éticos e até mesmo religiosos. (...) As liberdades individuais devem ser respeitadas, inclusive a religiosa. (...) O Estado não está preparado para assumir o papel da família e não pode interferir na família”.

Prefeito Alair Corrêa sancionará emenda dos vereadores

Essa foi a garantia dada pelo presidente da Câmara, vereador Marcelo Corrêa, aos demais vereadores e à assistência presente. Marcelo disse que, em conversa com o prefeito Alair Corrêa já ficou acertada a sanção de todos os pontos defendidos pelo Poder Legislativo na manhã desta terça-feira.

EMENDA SUPRESSIVA Nº 003, DE 22 DE JUNHO DE 2015.

Art. 1º - Ficam suprimidos no Anexo II - Metas e Estratégias, do Projeto de Lei nº 082/2015, oriundo da Mensagem Executiva nº 15/2015, que Aprova o Plano de Educação, no âmbito do Município de Cabo Frio e dá outras providências, as seguintes redações das Metas e Estratégias a seguir:

7.44) ... por identidade de gênero

7.45) ...e identidade de gênero

7.47)... e identidade de gênero

7.48) ...e identidade de gênero

Art. 2º - As Metas e Estratégias do Anexo II do Projeto de Lei nº 082/2015, acima enunciadas passam a vigorar com a seguinte redação:

7.44) Assegurar através de ações afirmativas e interdisciplinares o combate á intolerância religiosa, ao racismo, orientação sexual e discriminação nas escolas de ensino médio e profissionalizante;

7.45) Fomentar e apoiar cursos de formação continuada de professores no campo da orientação sexual, diversidades étnico-racial e religiosa;

7.47) Promover a divulgação de informações científicas sobre a orientação sexual, diversidades étnico-racial e religiosa para a comunidade escolar;

7.48) Estimular a pesquisa e difusão de conhecimentos que contribuam para o combate à violência e à discriminação por intolerância religiosa, racial e orientação sexual;

Art. 3º - Esta Emenda entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 4º - Revogam-se as disposições em contrário.

GÊNERO EM PAUTA | “Cabeça de criança não é laboratório” GÊNERO EM PAUTA | “Cabeça de criança não é laboratório” Reviewed by Alessandro Teixeira on 23.6.15 Rating: 5

Um comentário:

  1. Oh, Platão! Quantas frases de reflexão! Essa câmara de Cabo Frio é um poço de sabedoria. Um universo de pensamentos. Só Jesus na causa e nas vidas dos cidadãos cabofrienses.

    Mas fiquei impressionado com a do vereador Dr.Adriano. "Cabeça de criança não é laboratório para fazermos experiências”. E a nossa não é sumidouro Dr. Adriano.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.