Sem acordo com o prefeito, servidores de Cabo Frio farão greve de advertência

Em assembleia geral unificada super concorrida e realizada na noite desta quinta-feira, dia 11, os servidores públicos de Cabo Frio aprovaram, por unanimidade, paralisação de três dias em greve de advertência escalonada, a começar no dia 23 de junho, quando também serão realizados um ato em frente à Prefeitura e campanha de arrecadação de alimentos não perecíveis para a Casa Renê Pessa, que presta apoio a soropositivos. 

Ficou decidido ainda que os servidores, durante os dias de greve, farão ato em frente à Prefeitura, a partir das 8h, e assembleia em seguida. Também foi aprovada a luta pelo reajuste salarial de 10,2% para todos os servidores municipais. 

Os servidores de "mãos ao alto" e "assaltados" em seus direitos, votam pela realização de greve de advertência

Caso não haja negociação ou solução em relação aos itens da pauta apresentada ao prefeito Alair Corrêa, as outras paralisações acontecerão nos dias 29 de junho, com o “sopão da dignidade”, e 08 de julho, com doação de sangue dos servidores para ajudar o banco de sangue da Região. Todos os atos acontecerão a partir das 8h, em frente à Prefeitura. 

A alteração do índice de negociação dos 13% para 10,2% foi aprovada após releitura dos artigos da lei complementar que regulamenta o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração da COMSERCAF, que prevê o índice legal para a fixação do reajuste salarial. 

Os servidores decidiram que a reposição salarial deve ser negociada num mesmo pacote com a concessão do Vale Transporte na data determinada em lei - antecipado mensalmente - e o pagamento de todos os servidores estatutários da ativa, seja da administração direta ou indireta, na mesma data, respeitada a prioridade na data de pagamento dos aposentados, pensionistas, auxílio-doença e pensão alimentícia.

Os dirigentes sindicais ficaram de protocolar um ofício ao prefeito Alair Corrêa, antes de cada ato de paralisação, solicitando o agendamento de audiência para que seja debatida aplicação do índice de reajuste em conformidade com o que preconiza a legislação municipal.

COMENTÁRIO

Ao que parece, o prefeito Alair Corrêa desistiu de negociar com as lideranças sindicais depois daquele rompante em frente à Prefeitura. De lá para cá, em relação a esse assunto, o chefe do Executivo permanece em silêncio obsequioso e os sindicatos trilham nas linhas da incerteza quanto ao índice a ser aplicado para o reajuste salarial que, diga-se, é direito do servidor e não favor do prefeito.

A proposta inicial do prefeito era de um reajuste inferior aos 4%, o que sofreu alterações, após reunião com lideranças sindicais, e chegou ao patamar de 5,83%, percentual rejeitado em assembleia unificada na Escola Municipal Professor Edilson Duarte. Os sindicatos também refizeram  as contas e desceram o número de 13% para 10,2% e aguardam a resposta do prefeito.

Sem querer agir como "ave de mau agouro", acho pouco provável o prefeito Alair Corrêa negociar percentual diferente do que por ele fora anunciado. Assim como também acho que não há interesse da parte dele de colocar sobre a mesa todos os números da contabilidade da administração, o que foi uma dos compromissos firmados em praça pública.

Quero estar errado, mas é grande a chance de o prefeito "empurrar com a barriga" essa discussão e assistir de "camarote" aos atos dos sindicatos e associações de classe, haja vista que ele já se afeiçoou à ideia de que a repercussão das paralisações não é tão danosa quanto as lideranças sindicais anunciam e que a adesão é ínfima quando confrontada com o universo de servidores que permanecem nos seus postos de trabalho.

Certo é que, do jeito que está, sem uma definição, todos os servidores saem perdendo, independentemente de aderirem ou não à greve/paralisação.

Sem acordo com o prefeito, servidores de Cabo Frio farão greve de advertência Sem acordo com o prefeito, servidores de Cabo Frio farão greve de advertência Reviewed by Alessandro Teixeira on 12.6.15 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.