CRÔNICA | Escolhas

Mais uma vez estava pensativa em um quarto de hotel. Fato super normal, uma vez que a maior parte do tempo estou viajando a trabalho. Na última reunião do dia, uma pergunta me levou à reflexão: “Então você nunca amou ninguém?”. Confesso que fui pega de surpresa, até porque falávamos de coisas leves e, uma pergunta tão agressiva, quebra todo o clima. Voltando para o hotel refleti muito e cheguei à conclusão que a amargura não era minha. Vivo exatamente do jeito que escolhi e sou feliz assim, obrigada!


Entre um chá e uma leitura que me chamava a atenção, lembranças tomaram conta dos meus pensamentos e atravessaram a noite. Não sou o tipo de pessoa que fala o tempo todo o que sente; prefiro demonstrar com gestos. Tanta gente fala “eu te amo” sem querer dizer nada com isso… Por isso sempre optei em fazer e não em falar muito. Claro que muitos não entendem isso! Se amei na vida? Lógico! E mais de uma vez… Temos diferentes formas de amar, de aprender e todos que passam pela nossa vida são importantes naquele momento.

Lembrei da infância… coisas que costumo não comentar, mas que marcaram profundamente minha vida. Fui adulta quando deveria estar brincando de boneca. Meus irmãos mais novos – uma ainda bebê – me ocupavam todo o tempo e tinha um medo incrível de falhar. Meus pais trabalhavam fora e a responsabilidade era toda minha. Tive que amadurecer rápido demais, talvez por isso hoje, uma das minhas maiores paixões seja trabalhar com crianças.

Fiz várias escolhas na vida e nunca me arrependi. Até mesmo do que julgam “errado”; tudo foi válido. Escolhi casar e depois ficar solteira; não ter um filho e sim vários e ser livre. Detesto rótulos impostos pela sociedade, que várias vezes é cruel em suas colocações. Prefiro minha vida corrida e ao mesmo tempo simples. Estou meio Clarice Lispector, sem saber definir liberdade, pois “o que eu procuro ainda não tem nome”. Quero conhecer novas pessoas, fazer novos trabalhos e viajar… amo viajar!

Mas tudo isso não me impede de ser feliz. Às vezes me apaixono. É bem legal o vai e vem de emoções, renovam a gente. O que sinto é só meu. Não digo que um dia não me decifrem, mas será difícil. Sou complexa e intensa em tudo que sinto. Por isso falar, não me basta. Gosto de sentir, tocar, sem meias palavras. Meu coração é um oceano de segredos e, se o julgo assim, posso dizer que é tão belo e misterioso quanto o mar… O sono chegou. Fui dormir. Quando o sol nasceu, contemplei toda sua beleza. Realmente um espetáculo ímpar. Nessa hora entendi que não importa a vida que eu leve ou as escolhas que faça; o importante é me bastar e quem sabe um dia encontrar alguém, que veja além dos meus olhos, apenas sinta quem realmente eu sou!!!

KEETHERINE GIOVANESSA é empresária, jornalista, formada em Letras (Português e Espanhol), produtora, locutora e apresentadora de TV.

CRÔNICA | Escolhas CRÔNICA | Escolhas Reviewed by Alessandro Teixeira on 12.7.15 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.