SILVANA BRAGA | Não se pode conviver com a ideia da transformação da urna em penico

Conta uma pequena história que certo dia um homem resolveu que ia ganhar na loteria. Ele saiu contando para todo mundo que ia ganhar na loteria e assim ele passou vários dias. Como ele não ganhava, resolveu fazer uma oração e pediu a Deus para que o ajudasse a ganhar na loteria. Então Deus respondeu: "Eu te ajudo, mas você tem que jogar!".

Essa história me lembra a situação política da minha cidade, minha terra amada Cabo Frio.

O município vive seu caos administrativo. E pelas ruas muitas pessoas rejeitam o atual modelo; e tantas outras rejeitam o modelo anterior. Outro tanto diz que todos são iguais e outros ainda dizem que temos que inovar, que a cidade precisa de uma grande mudança, como no caso do homem que disse que ia ganhar na loteria.


O que muitos não se dão conta é que não temos essa novidade, não temos um nome novo. Não houve a preocupação de preparar um nome novo com competência, credibilidade e carisma suficiente para conquistar a confiança e ganhar os votos dos nossos cidadãos. Nunca apostamos e agora queremos uma solução milagrosa para os problemas da nossa cidade.

Parece - e é! - pragmatismo: até que a cidade se empenhe em produzir sua novidade, teremos nas eleições as mesmas disputas antagônicas que agitam a cidade. As "novidades" que raramente surgem não emplacam, seus conteúdos são fracos e o que vemos é mais do mesmo. Digo isso em nível de Executivo municipal. 

Mas isso não quer dizer que não podemos fazer nada. A mudança mais significativa que cada cidadão poderá promover enquanto eleitor é relativa à Câmara de Vereadores. É na Casa Legislativa que todos podem contribuir para uma renovação efetiva. E não dá mais para aceitar o velho jargão de que o povo tem memória curta, que o povo não é politizado, que o povo transforma urna em penico.

Eu acredito no nosso povo, na nossa sociedade. Acredito que todos entenderam as manobras que foram articuladas nos últimos seis meses e que resultaram na limitação ou redução de direitos sociais, no aumento da violência em todas as áreas da cidade, no desemprego e de todas as outras mazelas que nossa cidade vive hoje. 

Entendo que hoje vivemos uma situação difícil e a perspectiva do copo preenchido pela metade não ajuda: copo meio cheio, copo quase vazio. O que ajuda é compreender que se não promovermos as mudanças necessárias, viveremos eternamente de perspectivas. A escolha é sua, o voto é seu. Quem faz a diferença é você! Aposte!

SILVANA BRAGA, cidadã e professora de História.

SILVANA BRAGA | Não se pode conviver com a ideia da transformação da urna em penico SILVANA BRAGA | Não se pode conviver com a ideia da transformação da urna em penico Reviewed by Alessandro Teixeira on 9.7.15 Rating: 5

Um comentário:

  1. Em Cabo Frio "transformaram" urna em chapéu de mendigo há muito tempo . Ou seja, são chegados a esmola.

    Enxergar novas lideranças políticas na cidade está mais complicadodo que enxergar uma moeda mo fundo da Baía de Guanabara.
    Os " novos " estão surgindo com os mesmos " "vícios ". Todos pensando no mesmo terreno pantanoso.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.