Temendo a derrota, Alair Corrêa aposta na fragmentação de seu grupo político

Com baixíssima popularidade e incapaz de administrar a cidade mesmo com os bilhões de reais depositados nos cofres da Prefeitura nestes últimos 30 meses, o prefeito Alair Corrêa recorreu mais uma vez às mídias sociais para apresentar suas “pérolas” para o cidadão cabo-friense.

Apostando na ignorância do povo, Alair Corrêa se diz pré-candidato à reeleição, tenta fazer uma mea culpa ao dizer que teve dificuldades para executar seu programa de governo por conta da crise e aproveita para “liberar” agentes políticos de seu grupo para que também se candidatem a prefeito nas próximas eleições.


Ainda que diga que a manobra de pulverização de candidaturas não é uma estratégia para benefício próprio, o discurso do prefeito não “cola”. Todos sabem do tamanho das dificuldades que Alair Corrêa terá para derrotar o deputado federal Marquinho Mendes numa disputa polarizada. Além dos efeitos políticos, um “engarrafamento” de candidaturas deixa a campanha mais barata – ou menos cara – para Alair Corrêa.

Quanto à falta de recursos e às dificuldades para desenvolver seu programa de governo, o prefeito falta com a verdade. Em apenas dois anos (2013 e 2014) Alair Corrêa teve muito mais dinheiro nos cofres do que qualquer outro prefeito. Não fez porque não quis e os balancetes – aqueles que ele evita dar transparência – comprovam isso. Antes da crise econômica de 2015, Cabo Frio vem enfrentando uma grave crise de gestão, com um prefeito de extrema frigidez administrativa.

Em relação ao espírito democrata do prefeito, temos aqui uma piada de mau gosto. Até porque, como sabemos, o próprio Alair Corrêa se encarregou, agora nas eleições de 2014, de inviabilizar o projeto político de Alfredo Gonçalves, Walmir Porto, Silas Bento, Dr. Taylor, Paulo Henrique Corrêa e Dr. Paulo César. Todos foram candidatos a deputado e foram vítimas da proposta de enfraquecimento e geração de extrema dependência da máquina pública. Alair colocou, estrategicamente, todo mundo debaixo de seu guarda-chuva. Assim, o discurso do momento é, antes de tudo, um ato de desespero de quem vê a derrota de avizinhando.

A velha política de dividir para dominar está presente no texto do prefeito. E até nisso ele tem sido inábil. O tiro pode sair pela culatra.

Leia o texto do prefeito na íntegra:

SER DEMOCRATA É RESPEITAR DIREITOS

Faltam dois meses para os que desejam levar seus nomes à convenção definirem seus partidos para 2016! Os companheiros do PP pensam em mim para a reeleição, por isto, posso precisar ir à convenção partidária, no ano que vem, para ter um novo mandato. Disputar a convenção e a reeleição não figurava em meus planos, mas devido à crise do país, tive dificuldades no atual mandato. Por isto, precisarei de outro mandato para executar o meu programa (no atual mandato, não foi possível executar tudo que foi projetado). Mas o que desejo mesmo com esse artigo é o seguinte:

Quando em 1976, resolvi disputar a eleição para a Prefeitura, tive que enfrentar os antigos líderes do MDB: Hermes Barcellos, Otime dos Santos (Timinho), Joel Rocha e Wilson Mendes. Por ser muito jovem, eles não queriam me deixar ir à Convenção com o meu nome e tive que enfrentá-los para conseguir ser também candidato. Defendi duas coisas: o meu projeto político e o sonho de ser prefeito de minha cidade. Hoje, 40 anos depois, resolvi que não deveria repetir o que aqueles antigos líderes tentaram contra mim, evitando minha candidatura. Agora, como abominei aquela situação de mando e controle político, estou agindo como gostaria que tivessem agido comigo naquela oportunidade e resolvi liberar todos os meus companheiros que tenham projetos próprios a também colocarem seus nomes nas convenções de seus partidos políticos. Então, se algum companheiro tem o sonho de governar sua cidade como eu tive um dia e lutei por ele, que lute também por este sonho.

É importante ressaltar a todos os companheiros do grupo que ninguém está impedido de buscar seu espaço como uma pré-candidatura a prefeito. Mas aproveito para lembrar a todos que sou pré-candidato à reeleição e que levarei meu nome à convenção do meu partido no próximo ano. Abro essa oportunidade de pré-candidaturas para os que largaram as suas em 2012 para me apoiar. Refiro-me aos companheiros Alfredo Gonçalves, Dr. Paulo Cesar e Silas Bento, como ficam também liberados os que, mesmo estando dentro do governo ou tem relação com ele, já lançaram seus nomes – casos de Dirlei Pereira e Walmir Porto.

Alguns companheiros imaginam que libero esses nomes por acreditar na máxima de que “quanto mais candidatos, melhor para o candidato do governo que, historicamente, já entra com percentual de 30% dos votos”. Mas não é esse o propósito. Reafirmo que o propósito é o de conceder a oportunidade a todos. Oportunidade que eu não tive em 1976, quando comecei a sonhar em governar Cabo Frio.

Informo, finalmente, ainda que possa ser difícil administrar com alguns assessores nadando ao contrário, manterei os compromissos assumidos em 2012.

ALAIR CORRÊA, prefeito de Cabo Frio.

DETALHE

Ainda hoje comentarei parágrafo por parágrafo dessa pérola de Alair Corrêa.

Temendo a derrota, Alair Corrêa aposta na fragmentação de seu grupo político Temendo a derrota, Alair Corrêa aposta na fragmentação de seu grupo político Reviewed by Alessandro Teixeira on 29.7.15 Rating: 5

4 comentários:

  1. "Apostando na ignorância do povo" Eles não apostam, eles tem certeza da falta de informação da população, sem falar nos métodos de puxar votos de forma criminosa. Quanto as eleições a campanha começou no dia 1º de janeiro de 2013 não pensam em outra coisa, o povo que se foda com todas as mazelas dessa gente! Semanas atrás já estavam distribuindo cestas básicas nos bairros carentes, precisamos muito mais para limpar essa gente de Cabo Frio, e a opção com certeza, na minha opinião NÃO é o candidato "B", pode ser qualquer outro o importante e imprescindível é RENOVAR!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leo Capone Prefeito, agora é a vez dos Bairros!!! Sangue novo na política, Renovação Ja!!!

      Excluir
    2. Só se for o Léo Capone mesmo , porquê o " Al Capone " e sua cambada tem que sair fora!

      Excluir
  2. Que nada! Um pão com " mortandela ", um copinho de Guaravita e " reajusta " a " passagem mais barata do Brasil ", para Cinquenta centavos, povinho reelege.
    Povinho se contenta com pouco e 0800.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.