SILVANA BRAGA | Quando o legislador não fiscaliza e o Executivo não realiza, o povo padece

Às vezes penso que estou dentro de um jogo dos sete erros e que, ao encontrarmos o erro, acreditamos que aquilo não é um erro exatamente. 

Por exemplo: vereadores que têm livre acesso às unidades de saúde e, através de seus assessores (ou mesmo pessoalmente), marcam consultas, exames, cirurgias, conseguem remédios, autorizações, etc. Aparentemente é muito bom. Mas é um erro. Esse não é o papel do vereador. A lei diz que a saúde é um direito universal e, portanto, não há necessidade de um intermediário para que se tenha acesso ao serviço. 


No transporte coletivo são tantos erros que acabamos por desculpar as falhas graves em prol dos erros menores, mas que no fundo são erros e deveriam ser cobrados pelos agentes fiscalizadores. Por exemplo: a linha Jardim Esperança custa R$ 4,35 a passagem (por força da Justiça). Jardim Esperança é um bairro da cidade de Cabo Frio, mas como o coletivo passa por um trecho de São Pedro da Aldeia, a passagem é cobrada como intermunicipal (cujo valor é R$4,50). E sob esta justificativa retiraram de circulação a linha Muro de Pedra, que atendia a comunidade da área limítrofe de Cabo Frio com São Pedro da Aldeia.

Existe uma linha Búzios/ Arraial do Cabo, que passa por Cabo Frio, atravessando três municípios, ou o Saquarema/ Cabo Frio, que atravessa cinco municípios, mas que a passagem é R$4,50. Diante disso, a pergunta é: por que a empresa não fraciona o valor, a exemplo de outras empresas que também atuam em diversos municípios? Se a empresa concessionária em Cabo Frio não tem condições ou interesse em fazer isso, por que a Câmara de Vereadores não se impõe e cobra o que é direito do cidadão usuário do serviço?

A algum tempo atrás, li uma postagem de um determinado vereador da cidade dizendo que os moradores de uma certa comunidade deveriam agradecê-lo por um serviço feito no bairro. Erro! A comunidade não tem que agradecer ao vereador. Como agente fiscalizador e detentor de status de poder, este é quem deveria agradecer ao povo por estar ocupando a cadeira.

Aí vejo que limparam o terreno do Ginásio Poliesportivo do Jardim Esperança, sendo que o prédio continua abandonado, assim como boa parte do bairro, que está com as ruas sujas, calçadas com lixo e entulhos, constante falta de energia e mães aflitas a cada chuva sem saber se os filhos terão aula (já que as salas de aula alagam).

Tudo isso é erro! 

Por fim, leio sobre a prisão da artista que recebeu o calote da Prefeitura. E este erro é o fim da picada! Se os nossos legisladores e o executivo municipal conhecessem os artigos 5º e 6º da Constituição Federal, este meu texto seria desnecessário. Mas eu duvido que eles conheçam sequer a Lei Orgânica da nossa cidade. 

E, ao analisar todos estes erros, saindo do jogo e vindo pra vida real, vejo que o nosso problema é grave. Na verdade, é mais grave do que vemos, pois estamos nos acomodando nos erros, achando tudo isso normal. 

Não é normal! Esse é o maior erro! As contratações continuam acontecendo e não acontecem levando em conta a competência do contratado e sim o apadrinhamento. Os descasos continuam. Alguns grupinhos estão sendo beneficiados por questões políticas. 

As máscaras vão cair! E as que não caírem serão arrancadas por força da verdade.

SILVANA BRAGA, cidadã e professora de História.

SILVANA BRAGA | Quando o legislador não fiscaliza e o Executivo não realiza, o povo padece SILVANA BRAGA | Quando o legislador não fiscaliza e o Executivo não realiza, o povo padece Reviewed by Alessandro Teixeira on 20.8.15 Rating: 5

Um comentário:

  1. Você não está " dentro de um jogo de sete erros". Sorria! Você está em Cabo Frio, mais conhecida como: cidade Pagode.

    O sistema de transporte público de Cabo Frio é toda a região é um grande Lixao. Salva nada. Nem ponto de ônibus essa cambada sabe fazer E todos Caladinhos para não perder os " agradinhos " - até rimou. 95% da População acomodada. A imprensa também é culpada.
    Muita falácia e pouca ação de alguns. Mas a intenção é " atacar " somente a prefeitura - que também assiste tudo é não faz nada - e tem como?
    O mais engraçado, que a linha criada ( Salineira parece pipa, só recebendo linhas) Jardim Esperança X Cabo Frio que tinha a tarifa municipal foi retirada na maior cara de pau. Quem recebeu a " punição" foi o povo
    Um bairro que não pode usar o subsídio. Só usa " imprensados " nas linhas que passam no Jardim. Por isso, a linha 321 ( São Cristóvão - Tangará) anda lotada. Mas fazendo jus o slogan da Dona Salineira: "........ Aproximando as pessoas ". E isso?
    As " primas " ( Montes Brancos, São Pedro) da Dona Salineira " desfilam " pra cima e pra baixo na cidade sem ser incomodadas. Um absurdo!
    E o carro de fiscalização de transportes urbanos? Ônibus pertence a qual categoria?

    Até amanhã!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.