SILVANA BRAGA | Temos em Cabo Frio a dignidade limitada pelo governo

"Dignidade" é a qualidade de quem é digno, ou seja, honrado, exemplar, que procede com decência, com honestidade. Essa palavra vem do latim dignitate e significa honradez, virtude, consideração. A dignidade de um indivíduo representa sua "integridade moral" e um ataque a essa dignidade é caracterizado como danos morais, sendo que quem incita, afronta ou ataca a dignidade do outro é denominado "ultrajante".

A dignidade é também uma qualidade moral que inspira respeito e consciência de si mesmo, é o amor próprio, o brio. O indivíduo que infringe qualquer padrão de dignidade, que faz trapaças, que é manipulador, que causa dolo, que pratica ações fraudulentas é enquadrado como um indigno, desprezível.



Segundo o filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804), a dignidade é o valor de que se reveste tudo aquilo que não tem preço, ou seja, que não é passível de ser substituído por um equivalente. Dessa forma, a dignidade é uma qualidade inerente aos seres humanos enquanto entes morais e éticos. 

A dignidade é totalmente inseparável da autonomia para o exercício da razão prática, é por esse motivo que apenas os seres humanos revestem-se de dignidade. Essa conceituação me causa confusão mental e chego a acreditar que ou eu ou o governo municipal de Cabo Frio desconhece o que esta palavra significa.

Quando pegamos ônibus em Cabo Frio, para pagarmos o valor de R$ 1,50 na passagem, é necessário ter o "Cartão Dignidade" que, aliás, não é confeccionado há dois anos. Ou seja, moradores novos no município, quem não conseguiu se recadastrar ou quem está alcançando idade de pagar passagem não merece essa "dignidade". 

E, pelo visto, apenas o Cartão tem dignidade, pois o cidadão não recebe nenhuma consideração: são ônibus superlotados, que não cumprem os horários, com funcionários que muitas vezes causam dolo ao passageiro intencionalmente, pois viram o leitor do cartão para eles e não informam ao passageiro que a passagem está na integração, o que dispensa o pagamento da passagem. Além do fato de ser limitado em apenas duas passagens, como eu digo: dignidade limitada. 

O sistema de transporte coletivo na cidade está de mal a pior, onde não sobra nenhum espaço para dignidade.

Mas o gritante é o Programa Cesta Básica da Dignidade. O cadastro para este programa estava sendo feito na Secretaria de Assistência Social e agora é feito direto nos bairros. Ao se cadastrar, o inscrito no programa recebe um cartão igual ao do ônibus, só que está escrito Cesta da Dignidade e possui todos os dados da pessoa (CPF, RG, data de nascimento e endereço). 

Quando começaram as inscrições, em nenhum momento foi falado que a entrega seria em praça pública, com sessão de fotos para redes sociais e jornais locais. Era informado apenas que a entrega das cestas seria divulgada previamente com carro de som nos bairros e que a retirada das mesmas só se daria mediante o cartão. 

Outro fato é que para se cadastrar é necessário apresentar o cartão de vacina e comprovante de que as crianças da casa frequentam escola. Mas na foto que eu vi da tal cesta, não vi uma única caixa de leite ou alimento próprio para crianças. Vi um pacote de biscoito e uma embalagem de goiabada. E ainda chamam a cesta de "poderosa"! Queria muito ver nosso representante do Executivo ou algum dos nossos vereadores desempregado, com filhos, passar um mês inteiro com todo esse poder.

Mas a pergunta que não quer calar é: isso é dignidade? O que esta cesta e o cartão do ônibus trazem de digno, de honradez, de consideração? Oferecer o que não se tem dá nisso. Esse tipo de dignidade não deve nos interessar. Preferia quando nossa cidade era cidadã.

SILVANA BRAGA, cidadã e professora de História.

SILVANA BRAGA | Temos em Cabo Frio a dignidade limitada pelo governo SILVANA BRAGA | Temos em Cabo Frio a dignidade limitada pelo governo Reviewed by Alessandro Teixeira on 3.8.15 Rating: 5

2 comentários:

  1. É "cartão dignidade"/ Serviço Ruindade.
    O sistema de transporte coletivo na cidade é um LIXO. Mais nada a declarar! Só a reclamar.

    Nem ponto de ônibus essa cambada sabe fazer. Um ponto aqui e outro ali. Pim..Pim...parou o ônibus. Mal o Motorista coloca as duas rodas no asfalto : Pim...Pim....Parece trem. Todo poste é ponto. E grande parte dos motoristas e cobradores abusados. Se fosse no Rio ou Niterói eles "entravam" na linha rapidinho. E a dificuldades que esses motoristas têm, para parar o ônibus no ponto? Faz sinal e para uns quatro metros.

    Esse lance da dificuldade de olhar para o visor , porque ele está completamente virado, eu já reclamei em um programa de rádio e blogs - virado, para janela. Quando o ônibus da linha 348 ( Foguete/Vila do sol - Praia do Forte) que faz a tal integração, era branquinho, tinha que se entortar todo,para passar o cartão. Estranho ou Esperteza ?
    O mais engraçado que desde "governo passado" foi criado um ônibus da Montes Brancos ("irmã" da Dona Salineira) que fazia a tal integração (ainda têm?) . Veja, você: uma integração intermunicipal, dentro do municipal. Quem pagava a diferença? Coisa de doido!

    Em Macaé a passagem é R$1,00 e nem precisa de cartão. Enquanto isso, em Cabo Frio, a passagem aumentou, a quantidade diminuiu , ônibus passa a hora que quiser e todos caladinhos. Na Região dos Lagos , a gente que precisa se adequar aos horários confusos e não confiáveis dos ônibus.


    As entregas das cestas básicas estão mais para "cinema". Mas tudo, no governo Alair tem que ter "cenas", como filmes de Hollywood.

    ResponderExcluir
  2. Continuem votando nessa gente, vai mudar...pra pior!!!!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.