OPINIÃO | Três toneladas de fogos

O ano de 2015 termina pior do que começou e sugere que em 2016 seguiremos no caminho caótico onde as prioridades estão sendo revistas na toada da inversão de valores.

No cenário nacional ouvimos falar de zica vírus, chicungunha e dengue, trazidos pelos aedes aegypti, isso somado ao caos ambiental proporcionado no interior do estado de Minas Gerais e uma inflação que ultrapassa os 10%.

Nos estados federados o contexto não parece ser diferente: profissionais da educação com remuneração em atraso, Unidades de Pronto Atendimento esvaziadas, segurança pública desmotivada.

Nos municípios os absurdos seguem sendo cometidos a nossa revelia, as notícias alarmantes chegam ao sabor dos ventos. 

Talvez três toneladas de fogos não sejam suficientes para cegar e ensurdecer toda a população.

Do norte ouvem-se rumores que a Prefeitura pretende antecipar os royalties, mesmo que os títulos necessários à garantia não se apresentem em sua melhor forma; do sudoeste ouve-se que a fé sustentará a queima dos fogos na noite do réveillon, apesar dos servidores públicos municipais estarem amargando atrasos em suas remunerações levando-os a perceber solução de continuidade em sua capacidade aquisitiva, quiçá até mesmo em sua sustentabilidade. 

Na verdade, o cenário caótico nos municípios parece ser infindável, vão de hospitais depredados a cemitérios sem vagas, passando por professores sem remuneração e vigilância pública desmotivada e isso é notório até aos contentes banhistas que se mantenham atentos aos ambulantes que comercializam de tudo e de qualquer forma sem preocupações com o que deveria ou não ser autorizado, regulamentado ou fiscalizado.

Mas, apesar do pão estar em flagrante falta, o circo parece estar garantido. Nos telejornais veem-se os detalhes sobre queima de fogos, nas capitais e nas cidades do interior, principalmente onde há praias; a população vem se deslocando, se abastecendo com líquidos fermentados produzidos a partir de cereais não maltados, pouco refrigerados em caixas térmicas onde dividem espaço com petiscos produzidos a partir de galináceos e mandioca ralada, também conhecida por aipi, aipim, castelinha, uaipi, macaxeira, mandioca-doce, mandioca-mansa, maniva, maniveira, ou alguma outra expressão que tenha escapado.

Mas, talvez três toneladas de fogos não sejam suficientes para cegar e ensurdecer toda a população. E esperamos que a consciência seja recuperada, que a razão retome seu lugar alijando a suscetibilidade e que em 2016 as prioridades públicas legalmente determinadas pela Carta Constitucional sejam perquiridas, não antes, mas no lugar dos projetos pessoais daqueles a quem confiamos nossos votos e parecem pretender seguir permitindo que preponderem suas utopias imaginativas e sem fundamento plausível; seus fantasiosos devaneios; suas ideias quiméricas que tem sido responsáveis pelo enterro de cidadãos, indivíduos que estão perecendo em razão da irresponsabilidade leviana com a qual a (res) pública tem sido gerenciada.

SAULO BICHARA MENDONÇA, professor.

OPINIÃO | Três toneladas de fogos OPINIÃO | Três toneladas de fogos Reviewed by Alessandro Teixeira on 28.12.15 Rating: 5

3 comentários:

  1. Vergonha desses políticos de cabo frio, todos incluindo federal e estadual, vereadores, prefeitos, bando de covardes sujos.

    ResponderExcluir
  2. Em Cabo Frio nao é necessário três toneladas de fogos, para cegar e ensurdecer a população. Pra que gastar isso tudo? Esse povo nao merece nao. So se for para acordar! Em Cabo Frio , o povo se contenta com pouco. Um estalinho ja é suficiente. Aposto com quem quiser que vão ficar felizes!
    Agora, compra três toneladas de fogos coloca em uma balsa, acende e ofereça um cruzeiro em alto mar, para esses politicos. Se cair no mar, nem tubarão come. Tubarão vai cuspir, passar mal e vai falar: "que são carnes de segunda com data de validade vencido. Ou jaba! Imagine as cáries bacterianas nos dentes do tubarão. Ah, vai ter também que tomar vermefugo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correção: data de validade vencida.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.