OPINIÃO | Riobaldo e as quatro Cabo Frios

Todo mundo concorda que Guimarães Rosa era um visionário e que sua leitura permanece até hoje como um grande desafio intelectual de parágrafos indecifráveis, um omelete barroco temperado com o colóquio popular. Verdadeiros hieróglifos da nossa literatura, porém textos deliciosos e viciantes.

Contudo, escapa solenemente inspiradora e lógica, mas quase despercebida do mundo ‘guimaranesco’, uma frase do jagunço Riobaldo Tartarana, o intrigante personagem de Grande Sertão, Veredas: “a gente tem de sair do sertão! Mas só se sai do sertão é tomando conta dele a dentro... Sertão é dentro da gente”.


Em Cabo Frio, a elite e os eleitos sofrem de uma chikungunya hemorrágica cerebral que os fazem surtar delírios febris de que nasceram com a capacidade de entender a cidade e seus problemas. Não refletem sobre a questão que a cidade é um ser vivo e eles jamais terão tais respostas enquanto não aceitarem a realidade de que, como ser vivo, na sua complexidade, a cidade responde de forma comportamental quando provocada. 

E para entender como é esse comportamento é preciso um olhar de Riobaldo, acreditar como o jagunço que Cabo Frio está dentro da gente e, por isso, nós somos o que é Cabo Frio. Este é o ponto de partida para a unificação da cidade.

Uma cidade que ainda vive sob divisão distrital, modelo importado pela corte portuguesa, mas que mesmo lá já está acabando, pois os gestores lusos concluíram que é um modelo arcaico construtor de muros culturais e administrativos. Por isso, enquanto Tamoios for distrito, nada há o que se esperar dos cabo-frienses que lá vivem, a não ser o desejo latente de se emancipar e oficializar constitucionalmente o que já existe de fato. 

Jardim Esperança é outro grande pólo de problemas. A cultura nordestina que consagrou o bairro aos poucos vai perdendo esta identidade para um caldeirão de demandas sem solução.

Maria Joaquina com seu vasto território - mas que só 10% são habitados - depois da emancipação de Búzios, foi largada ao abandono. Hoje não se identifica como Segundo Distrito, apesar de pertencer a ele, não se vê como cabo-friense e olha saudosamente e melancolicamente para Búzios lembrando que um dia irá se unir novamente à terra de Brigitte Bardot.

O Centro, com sua Praia do Forte, que ao longo de vinte anos recebeu todos os recursos de royalties produzidos pela Praia Rasa (Maria Joaquina) e pela praia de Unamar (a dos fracos), continua aspirando ao ideal de liderar toda a cidade, porém sem tomar o menor conhecimento de como esse ser vivo gosta ser tratado. 

O sertanejo inocente Riobaldo talvez tivesse mais sucesso em governar esta cidade, uma vez que ele entende que precisa aceitar que a cidade vive dentro dele.

GILMAR TAMOIOS é coordenador do partido Rede Sustentabilidade e fundador do Movimento Voto Vivo.
OPINIÃO | Riobaldo e as quatro Cabo Frios OPINIÃO | Riobaldo e as quatro Cabo Frios Reviewed by Alessandro Teixeira on 18.4.16 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.